Nem tudo é assédio moral. Saiba diferenciar o assédio moral dos conflitos normais do dia a dia - Leidyane Alvarenga Advogada

Breaking

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Nem tudo é assédio moral. Saiba diferenciar o assédio moral dos conflitos normais do dia a dia



O assédio começa a surgir como um novo termo, onde se usam nas ações trabalhistas para qualquer situação, tudo não deve passar a virar assédio, é importante analisar bem cada situação.

Até pouco tempo atrás as pessoas diziam sentir-se estressadas, agora começam a dizer assediadas!

Ao passar a linguagem corrente, o termo assédio moral vem sendo utilizado de forma equivocada e muitas vezes abusiva. Dessa forma, é importante distinguirmos o assédio moral do conflito de trabalho, do stress, da violência no trabalho e de outras situações, para que esta confusão não acabe resultando numa indenização indevida.

A) Assédio moral e conflito de trabalho. O assédio moral não deve ser confundido com o conflito de trabalho.

O conflito de trabalho é normal no dia a dia, isso existe nas empresas, nas famílias, nas discussões políticas e do direito. Ele se revela pela oposição de sentimentos e de opiniões entre as pessoas. O que não pode ocorrer é que um conflito venha a se transformar numa perseguição, pois daí poderemos a ter o assédio. Para evitar que o conflito se transforme em assédio, sua solução pode vir através da mediação ou arbitragem.

• No caso de assédio, o assediador visa deixar a vítima num estado de submissão e destruição psíquica, já no conflito de trabalho não;

• O assédio coloca sempre a questão do poder: ele visa lembrar quem tem o poder e quem deseja ter o poder, o que não ocorre no caso do conflito de trabalho;

• O conflito de trabalho se demonstra de forma aberta enquanto que o assédio é feito através de utilização de técnicas como negar o que disse, manipular a comunicação, realizar pequenos atos que muitas vezes parecem não ser nada, quando na verdade existem ou existirão muitos outros que criaram um verdadeiro terror psicológico na vítima;

• No conflito de trabalho um grupo de colegas tem o mesmo ressentimento de violência da parte de outro grupo (responsável ou empregador), cada pessoa vítima é solidária com a outra e identifica seu sofrimento aquele das outras pessoas do grupo. O sofrimento coletivo é dividido e se opõe ao isolamento das ligações sociais existentes no assédio. O conflito de trabalho acaba em pedidos de desculpas ou explicações, enquanto que o assédio termina pelo menos em problemas de saúde;

• O conflito de trabalho é muito mais frequente que o assédio moral. Dessa forma, a diferença entre estas duas figuras é importante porque o conflito não gera indenização, se dentro dele não houver ato ilícito.

Fonte/Autoria: ZANETTI, Robson. E-Book: Assédio Moral no Trabalho. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 10 mar. 2014. Disponível em:

Leidyane Alvarenga
Advogada OAB/MG
Leidyanealvarenga.adv@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário